Aquele amor que não se explica, só se sente!

Hoje abri minha caixa de e-mail e senti que deveria compartilhar esta mensagem linda que recebi de uma amiga muito querida intitulada como: “Bom dia e um ótimo Outubro pra nós ❤“. Espero que seja uma luz na vida de alguém como foi pra mim. Um Beijo!

DiérikaEu e a Diérika, que me mandou este e-mail

Oração Celta ( ( (  ) ) ) guardada para todos os dias, para a vida!

Que jamais, em tempo algum, o teu coração acalente ódio..
Que o canto da maturidade jamais asfixie a tua criança interior..
Que o teu sorriso seja sempre verdadeiro..
Que as perdas do teu caminho sejam sempre encaradas como lições de vida..
Que a música seja tua companheira de momentos secretos contigo mesmo..
Que os teus momentos de amor contenham a magia de tua alma eterna em cada beijo..
Que os teus olhos sejam dois Sóis olhando a luz da vida em cada amanhecer..
Que cada dia seja um novo recomeço, onde tua alma dance na luz..
Que em cada passo teu fiquem marcas luminosas de tua passagem em cada coração..
Que em cada amigo o teu coração faça festa, que celebre o canto da amizade profunda que liga as almas afins..
Que em teus momentos de solidão e cansaço, esteja sempre presente em teu coração a lembrança de que tudo passa e se transforma, quando a alma é grande e generosa..
Que o teu coração voe contente nas asas da espiritualidade consciente, para que tu percebas a ternura invisível, tocando o centro do teu ser eterno..
Que um suave acalanto te acompanhe, na Terra ou no espaço, e por onde quer que o imanente invisível leve o teu viver..
Que o teu coração sinta a presença secreta do inefável..
Que os teus pensamentos e os teus amores, o teu viver e a tua passagem pela vida, sejam sempre abençoados por aquele amor que ama sem nome, aquele amor que não se explica, só se sente..
Que esse amor seja o teu acalento secreto, viajando eternamente no centro do teu ser..
Que a estrada se abra à sua frente..
Que o vento sopre levemente às suas costas..
Que o Sol brilhe morno e suave em sua face..
Que respondas ao chamado do teu Dom e encontre a coragem para seguir-lhe o caminho..
Que a chama da raiva te liberte da falsidade..
Que o ardor do coração mantenha a tua presença flamejante e que a ansiedade jamais te ronde..
Que a tua dignidade exterior reflita uma dignidade interior da alma..
Que tenhas vaga para celebrar os milagres silenciosos que não buscam atenção..
Que sejas consolado na simetria secreta da tua alma..
Que sintas cada dia como uma dádiva sagrada tecida em torno do cerne do assombro..
Que a chuva caia de mansinho em seus campos..
E, até que nos encontremos de novo, que os Deuses lhe guardem na palma de Suas mãos..
Que despertes para o mistério de estar aqui e compreendas a silenciosa imensidão da tua presença..
Que tenhas alegria e paz no templo dos teus sentidos..
Que recebas grande encorajamento quando novas fronteiras acenarem..
Que este Amor transforme os teus dramas em luz, a tua tristeza em celebração e os teus passos cansados em alegres passos de dança renovadora..
Que jamais, em tempo algum, tu esqueças da Presença que está em ti e em todos os seres..
Que o teu viver seja pleno de Paz e Luz!

A vida segundo Ela, bela!

 

 

Por Carolina Mendes

Palavras amadas, ai de mim se não fossem vocês.

Contigo eu choro, sorrio, mergulho, me afogo, chego em terra firme, me encontro, morro de amores, abraço minha alma, reprimo sentimentos, solto os cachorros, faço amigos, faço amor, faço o que eu quiser delas, são minhas, você lê se quiser.

Eu sei que posso ser chata e legal ao mesmo tempo, mas quem ta com meu controle temperamental nas mãos é sempre vc. Eu sou o reflexo do mundo, amo quem me ama e não odeio quem me odeia, ou talvez deveria?

Continuo mais amante das palavras que de gente.

Tem gente que pensa que é como a gente, mas que de gente mesmo não tem nada!

Gente sem graça, sem sal, nem açucar, nem coisa nenhuma.

Longe de mim ser perfeita, eu vivo mesmo é pra errar, brincar, gargalhar, mas pera lá… brincadeira tem hora!

Oras bolas! Quem diria, logo a Carolina dizendo isso…

Pois é bem a vida passa, o humor permanece e a gente envelhece, nem parece.

Esta semana eu aniversariei, no pretérito perfeito simples do indicativo. Vem aí mais 365 dias do ano pra aproveitar a tal da felicidade até chegar o próximo e maldito inferno astral, e olha este acabou com as minhas forças, todas, ainda estou recuperando-as aos poucos, me ajudem, se encontrarem um pedacinho de mim por aí mande entregar no condomínio Laranjeiras, casa 86.

Ser feliz e mais nada!

Imagem

Por Carolina Mendes

Eu tenho tentato por vezes me tornar uma pessoa melhor a cada dia. O problema são as pessoas, pessoas que no meio do caminho tentam sugar minha energia. Isso sim é um empecilho, advindo do verbo empecer, que segundo o dicionário, provoca prejuízo, prejudica, causa impedimentos, dificulta.

Ser uma pessoa melhor me faz pensar em como no fim das contas, se é que teremos contas neste plano tão prometido, somos todos iguais. Homens, mulheres, homosexuais, transexuais, seja criança, jovem, velho, é tudo farinha do mesmo saco.

Com o tempo você ensina e aprende diariamente com o seu passado. E aprende também que quem entrou na sua vida nos últimos anos pode não compreender certas coisas, causando desentendimentos desnecessários. Mas como sua consciencia é sábia, sabe deixar escondidinho no passado o que te incomoda, assim como sabe renovar-se a cada dia se assim for preciso.

Sinto falta do companheirismo de todas as horas, das gargalhadas, das promessas tentadoras de vender côco na praia, dos planos mirabolantes de ganhar na mega-sena e sumir do mapa.

Sinto falta do amor sem fronteira, dos beijos molhados, das pernas entrelaçadas, suadas. Das noites em que cansei de contar as estrelas do céu. Das noites bebendo sem parar. Das baladas. Dos amigos. Da família reunida. Da falta de compromisso.

Pensando bem, eu só quero mesmo é ser feliz e mais nada!

Esta não é a sua vida

Esta é uma produção do cineasta brasileiro, Jorge Furtado, uma recomendação do Professor Valdir Boffetti de telejornalismo da Universidade Metodista.

Documentário de 1991, sobre a vida de Noeli Joner Cavalheiro. Noeli mora num subúrbio de Porto Alegre, é dona de casa e tem dois filhos. Nasceu numa cidade do interior, foi pra capital, trabalhou numa padaria, casou. Noeli  tem 1 m e 58 cm, pesa 54 kg. É uma pessoa comum. Mas não existem pessoas comuns.

Bem vindo 7º Semestre!

Ser Chique Sempre

Nunca o termo “chique” foi tão usado para qualificar pessoas como nos dias de hoje.

A verdade é que ninguém é chique por decreto. E algumas boas coisas da vida, infelizmente, não estão à venda.

Elegância é uma delas. Assim, para ser chique é preciso muito mais que um guarda-roupa ou closet recheado de grifes famosas e importadas. Muito mais que um belo carro italiano.

O que faz uma pessoa chique, não é o que essa pessoa tem, mas a forma como ela se comporta perante a vida.

Chique mesmo é ser discreto.

Quem não procura chamar atenção com suas risadas muito altas, nem por seus imensos decotes e nem precisa contar vantagens, mesmo quando estas são verdadeiras.

Chique é atrair, mesmo sem querer, todos os olhares, porque se tem brilho próprio.

Chique mesmo é ser discreto, não fazer perguntas ou insinuaçõe inoportunas, nem procurar saber o que não é da sua conta.

É evitar se deixar levar pela mania nacional de jogar lixo na rua.

Chique mesmo é dar bom dia ao porteiro do seu prédio e às pessoas que estão no elevador.

É lembrar-se do aniversário dos amigos.

Chique mesmo é não se exceder jamais! Nem na bebida, nem na comida, nem na maneira de se vestir.

Chique mesmo é olhar nos olhos do seu interlocutor.

É “desligar o radar”, “o telefone”, quando estiver sentado à mesa do restaurante, prestar verdadeira atenção a sua companhia.

Chique mesmo é honrar a sua palavra, ser grato a quem o ajuda, correto com quem você se relaciona e honesto nos seus negócios.

Chique mesmo é não fazer a menor questão de aparecer, ainda que você seja o homenageado da noite!

Chique do chique é não se iludir com “trocentas” plásticas do físico… quando se pretende corrigir o caráter: não há plástica que salve grosseria, incompetência, mentira, fraude, agressão, intolerância, ateísmo…falsidade.

Mas, para ser chique, chique mesmo, você tem, antes de tudo, de se lembrar sempre de o quão breve é a vida e de que, ao final e ao cabo, vamos todos terminar da mesma maneira, mortos sem levar nada material deste mundo.

Portanto, não gaste sua energia com o que não tem valor, não desperdice as pessoas interessantes com quem se encontrar e não aceite, em hipótese alguma, fazer qualquer coisa que não lhe faça bem, que não seja correta.

Lembre-se: o diabo parece chique, mas o inferno não tem qualquer glamour!

Porque, no final das contas, chique mesmo é Crer em DEUS!!!!!!!!!

Investir em conhecimento pode nos tornar sábios… mas, Amor e Fé nos tornam humanos!

GLÓRIA KALLIL

Tô com saudade de uma coisa que eu não sei o que é

Pensando bem, eu deveria me dedicar mais ao meu blog mesmo. Escrever me causa uma sensação de nostalgia tão gostosa, não importa sobre o que seja. Afinal, os anos passam tão depressa que quando você menos se dá conta… ele realmente passou, e se você não seguiu a linha de tudo aquilo que você almejava para um futuro tão próximo, sinto lhe dizer, mas os anos passam realmente de pressa, e um dia vai bater uma saudade de tudo aquilo que você viveu, sendo eles bons momentos – ou não – é tipo uma sensação estranha que você não vai saber do que exatamente você sente falta.

Por isso eu resolvi escrever um e-mail, no qual pretendo receber só daqui a dez anos. Independente do quão ridícula eu pareça ser. Aliás, se eu fosse parar pra pensar no que eu me tornei desde os meus 14 anos (á dez anos atrás) eu descreveria essa época da minha vida como mais ou menos. Prefiro muito mais meu hoje. Não que eu não tenha aproveitado, aliás, aproveitei sim, bastante. Mas nada como estar no auge dos meus vinte e poucos anos. É a idade do tudo ou nada, anos onde tudo de mais marcante vai acontecer na sua vida, e tudo vida vira um parque de diversões, muitas emoções já diria Roberto Carlos.

Eu era sapeca, magrela, boca de lata, vira lata, vara de cutucar estrela, trave de gol, era cada uma que inventavam que imaginem só me zuavam tanto (sim me zuavam muito) que diziam até que eu limpava os fios da TV que chegava na casa dos vizinhos por dentro. Não que eu fosse tão magrela assim, mas simplesmente porque imagino que todos queriam tanto chamar a atenção da “menina dos olhos” (era assim que a minha BBF me chamava a Camila Bassi, tenho tantas saudades dela). Eu chamaria isso nos dias atuais de bulling, mas como naquela época isso não era moda enfeitar apelidos com nomes estrangeiros, eu me conformava com essas conotações ridículas mesmo.

Não tem como lembrar da Camila sem lembrar do nosso primeiro porre. Nosso não, o meu primeiro porre de vinho que ela teve que cuidar de mim. Eu nadava no mar verde (grama do quintal da minha casa). Dizia que ia me jogar da janela do quarto pra quicar no toldo debaixo dele e voar no vizinho. Hahahahah, que babaca, nunca tive coragem.

Mas saudades mesmo eu sinto das cartas imensas que escrevia ás minhas BBF´s – best friend forever. Teve ate um natal que gastei todo meu dinheiro em cartões pra enviar a todas minhas amigas, sem exceções (eram muitas) um Feliz Natal diferenciado, vejam só e pelo correio. Hoje em dia nem se usa mais esse trem. Tinha amiga que eu só me comunicava por carta, como foi o caso da Camila, da Bia (que reencontrei agora depois de 6 anos separadas) e da Mari. As outras escapuliram no túnel do tempo pra nunca mais.

Que pena que saiu de moda. Era muito mais divertido desenhar nos papéis de carta, botar pingos diferentes nos I´s, desenhar as inimigas, as professoras e até mesmo nossos pais que insistiam em negar tantas coisas (xiiu segredo? Coisa de adolescente, a gente sempre quer mais do que pode, eu sei… agora eu entendo) colar adesivos, juntar fotos e tranqueiras tudo num envelope só e ter o trabalho de ir até o correio só porque me lembrei de você amiga, isso sim é amor de irmã. Sem contar as amigas do colégio que tinham sempre um bilhete na manga pra animar a aula. Dessa época me lembro da Amanda – Mandy, da Mayara, da Milena, da Marjorie, da Luciana, da Talita, da Hilana – que acaba de dar a luz á Larinha linda, da Car Carrrrrrr , da Camila irmã da Carr, da Rê, da Ninna, da Amanda Pipoka, dos meus amigos roqueiros: Alex,  Cassio e Rodrigo que me levavam cd´s ótimos que eu curto até hoje. (Que saudades!).

A modernidade facilita o acesso à vida alheia, mas também tira o brilho da esperança de receber uma resposta daquela carta linda que eu muito me esforcei pra chegar justamente no dia do seu aniversário. É tinha essa ainda, pra chegar no dia era preciso fazer as contas e rezar pro correio não atrasar.

E minhas primas. Essas foram e são presentes até hoje. A gente dividia tudo desde a escova de cabelo até as váaarias bonecas e brinquedos que a gente tinha. Não tinha essa de criança mimada que quer ter tudo só pra si. Era chegar uma data de ganhar presentes e a gente já se organizava pra pedir coisas diferentes pra ter de tudo um pouco. E quando inventamos de querer patins. Nossa, imagine um joelho que sofreu. O meu. Eu já era tudo aquilo que eu citei acima – vara de cutucar estrela, boca de lata, o cão chupando manga (brincadeira) – andar com o joelho estourado não era nada além do normal. E os furúnculos imensos que a minha pele insistia em adotar como seus e de mais ninguém? Pois é, atrás disso ainda vinha piolhos e lêndeas, mas isso eu deixo pro próximo post.

Só pra relembrar minha banda predileta desde esses tempos de menina, boca de lata que tem tudo a ver. Boa noite.


Um carro a menos nas ruas

Experimente fugir do trânsito de São Paulo com uma sensação de liberdade que só a bike pode te proporcionar

Por Carolina Mendes

Pode parecer irreal, excêntrico ou coisa de atleta, mas está se tornando cada vez mais comum utilizar a “magrela” – forma como a bicicleta é conhecida entre os ciclistas –  como uma efetiva alternativa de transporte para se locomover de casa para o trabalho ou até mesmo para se divertir nos finais de semana.

Espalhados por todas as regiões da cidade, há diversos grupos de ciclistas com propostas que partem do desejo de fortalecer e divulgar o hábito de pedalar, além de proporcionar mais segurança para quem está se iniciando na aventura de transitar de bicicleta no caótico trânsito paulistano.

 Grupos de Ciclistas

“Sempre haverá alguém mais experiente para ajudá-lo caso você tenha um problema mecânico ou aconteça algum acidente. Pedalar em grupo pode ajudar o ciclista iniciante a perder o receio de circular sozinho nas ruas e a descobrir como resolver pequenos problemas que podem ocorrer pelo caminho”, indica Willian Cruz, analista de sistemas e idealizador do site Vá de Bike, especializado em informações para quem faz da bicicleta seu principal meio de transporte.

Solidariedade sobre duas rodas

Absolutamente inovador, o projeto Bike Anjo é um exemplo dessa solidariedade que une ciclistas experientes e iniciantes. Organizado inicialmente na cidade de São Paulo, o grupo conta hoje com mais de 200 voluntários espalhados por 17 cidades do Brasil, prontos para auxiliar quem está começando a pedalar. “Quando marcamos um acompanhamento com iniciantes, aconselhamos realizar o trajeto do trabalho durante o fim de semana, assim, conseguimos tempo para descansar, sinalizar e adquirir confiança”, afirma João Paulo Amaral, consultor de empresas e um dos fundadores e organizadores do projeto.

Uso diário exige cuidados básicos

Verônica Mambrini, jornalista do portal IG, há três anos utiliza a bike e, progressivamente, foi perdendo o hábito de dirigir para aderir somente à praticidade da bicicleta. “De carro num dia caótico de trânsito e chuva levo até uma hora e meia para chegar ao trabalho. De bike são 25 minutos, pedalando num ritmo tranquilo, até porque já vou maquiada e com roupa de trabalho – vestidos, meia calça, salto, e assim chego sem suar, pronta para ir para minha mesa começar o dia”.

Há mais de 10 anos utilizando a bike como principal meio de transporte, Willian Cruz ensina que garantir o máximo de visibilidade é um dos principais quesitos da segurança para quem pedala. “Ver e ser visto, sinalizar suas intenções, ocupar a faixa para impor seu direito de circulação, evitar grandes avenidas e manter atenção nos veículos ao seu redor são ações que podem evitar situações de risco”, previne. O ciclista recomenda ainda o uso do capacete e de luvas, principalmente para iniciantes, já que no inicio, a possibilidade de cair é bem maior.

Os ciclistas e os táxis

João Paulo Amaral destaca ainda a importância dos táxis na rotina de quem utiliza a bicicleta nas diversas atividades do dia a dia. “Muitos ciclistas, quando não estão de bike, vão de táxi! Eu mesmo não tenho carro e, amanhã, terei que transportar muita bagagem. Pegarei um táxi para isso”.

Opinião semelhante é partilhada pela jornalista Verônica Mambrini, que aposta na crescente aceitação dos taxistas em relação às bikes.  “Sempre que um taxista permite que eu leve a bicicleta no porta-malas, viro fã e cliente fiel.

Desmontando as rodas, ela cabe no porta-malas e, em situações de emergência, facilita muito poder contar com táxis para voltar para casa”, finaliza Verônica.

Alguns sites relacionados

WDE – http://wde.com.br/bike/passeios.htmm
Bike anjo – http://bikeanjo.wordpress.com
Vá de Bike – www.vadebike.org
Starbikers – www.starbikers.pre.nom.br
Night Biker’s Club – www.nightbikers.com